Névoa

Esta convicção de que há

Algo de errado comigo

Não conto

A ninguém

Escondo

Engulo

Até a garganta doer

Escondo-a de mim

Embora saiba

Que todos me podem ver

Inapta

Inadequada

Inerte

Inanimada

Há qualquer coisa

Que me ata os braços

Que me pesa os passos

Que me povoa a mente

Uma enchente

De neblina

Já não sei pensar

Sou apenas um pântano

De emoções que acendem

Como fogos-fátuos

Apenas sorrio

Para que me esqueça

E eles também

De que não sei pertencer

A nenhum lugar

A não ser

À névoa na minha cabeça.

Advertisements

Deriva

fog-1850228_640

 

Quando eu era mais menina

Achava que a vida

Por si só, era sabida

Eu a ia levando

E um dia ela ia me levar

Ao meu devido lugar

Como a maré

Hora em calma, hora em fúria

Devolve às terras o que nela flutua

Meu momento iria chegar

Continua porém a minha deriva

Embalam-me as ondas desta vida

Foram-se, qual tempo, os remos

E eu, sem porto onde repousar

Procuro apenas não naufragar.

But I still write

I know it´s pointless.

But I still write.

That´s what I do whenever my chest feels heavy.

Or my throat gets sore.

Writing puts my feelings under control.

Emotions are clothes all over the bedroom floor.

Writing is a loving mother that folds them into a pile.

I do have great emotional needs.

I am trying to find out where the drain is.

 

 

 

I will turn into a plant

I have a feeling

At any moment

I will be able to put

My hand through my chest

For I think I am

Fading out

Into my own head

As a black hole

My obscure thoughts

Take me in

An eternal spectator

I will be

I keep forgetting

I should speak

I am getting invisible

Already it feels

Nobody sees me

I think I will disappear

I´ve met people

They don´t know I exist

I´ve written words

Nobody reads

My hands don´t touch hands

Vegetable as I am

I´ve made roots in my bed

I will turn into a plant

I will turn into a plant

I will turn into a

I will turn

I will

I

.

 

 

Feia

Sentir-se Feia

É ver-se

Estranha,

Sentir vergonha.

 

Sentir-se Feia

É uma luz apagada.

Uma blusa larga e escura.

É vestir-se na praia.

 

É os conformes da idade.

Ou não reconhecer-se,

Presa a uma juventude

Que quer ser eternidade.

 

Saber-se Feia, porém

É libertar-se

De ter que ser

O que não se é.

 

É não lamentar-se,

Por dois dedos de barriga.

É pertencer às rugas que lhe pertencem.

É achar beleza em ser diferente.

 

Saber-se Feia

É saber-se também Bela.

Incomparável,

E inconvencionalmente.

 

Sentir-se ou saber-se?

Ténue é a linha entre emoção e razão.

Somos nada,  além de um emaranhado.

Buscando paz entre a confusão.

 

A um tímido

Esse é pra você.

Que anda na rua de olho na calçada.

Que assiste a conversas

Com um sorriso blasé.

Que morre de medo

De incomodar alguém.

Que dá uma risadinha frouxa

De olhar baixo

A quem foi grosso com você.

Como queria ter dito

As palavras audaciosas,

Das horas depois…

Mas só de pensar nisso,

Tem o rosto quente.

Ninguém entende

Que lá por não dizer nada

Não significa

Que nada tenha a dizer!

E fica pensando

Se te acham um porre.

Sem graça, insosso.

Você nada tem que provar a ninguém.

Merecedor do seu melhor

É só quem resolveu

Querer te conhecer bem.

Ah, mas como eu queria

Dançar aquela música,

Responder pergunta em aula,

Piscar pra alguém.

E nossa,

Como já me doeram as bochechas

De tanto querer ser simpática!

E pra desinibir, a cerveja que já tomei…

Talvez você também.

Quero lhe dizer

Que com o tempo melhora.

Se não se solta,

Tampouco se importa.

Tem quem te adora.

Mantenha-se o eterno mistério.

Esse é o seu jeito.

Eu estou contigo

Na busca de se querer.

Já dizia Frida,

“É verdade.

Eu estou aqui,

E sou tão estranha

Quanto você.”

At peace

 

What a pleasant surprise,

This sudden peace

In your absence.

I thank my heart

Who allowed itself

A rest again.

It pumped out

Our damaged pieces

For days on end.

It left my mind

With our beautiful moments

I had almost dismissed.

I don´t long for your presence.

Your absence warms me

As only good experiences can.

As only great memories can.

As only letting go can.

As if you never left.

Too bad you´re not here to see it.